Em Jesus, Deus entrou na nossa História e partilhou nosso Caminho

Mensagem Litúrgica - NATAL DO SENHOR
Primeira Leitura:- Is 52, 7-10 ; Salmo: Sl 98, 1-2 a .2b-3.11-12.13 ; Segunda Leitura: Hb 1, 1-6; Evangelho: Jo 1, 1-18

“Um sinal de amor de Deus para conosco”. Foi assim que Frei João Benedito, pároco do Santuário São Francisco de Assis, descreveu o nascimento de Jesus Cristo durante a homilia proferida na Santa Missa da última sexta-feira (25), iniciada às 19h, em que se celebrava o Natal do Senhor. Ele ressaltou a importância da data e afirmou que o nascimento de Cristo é mais um exemplo da forma surpreendente do agir de Deus.


O Natal, segundo o celebrante, “é uma festa importante para o mundo, incentiva as pessoas a serem solidárias, a buscar o perdão e a vida em família”. Porém, Frei João lembrou que para os católicos, o Natal é mais que uma festa. “Nós celebramos essa data litúrgica atualizando esse acontecimento e revivendo essa passagem. E esse fato é que o Natal é o sinal do amor de Deus para conosco”, explicou.

WhatsApp Image 2020 12 26 at 160258


Ele também disse que Cristo não é o messias que o povo judeu esperava. “Deus se revela em Jesus de modo inesperado. As pessoas achavam que o Messias seria um guerreiro enviado para dominar os povos. E o Messias vem como um bebê. Que força tem um bebê? Muitas vezes Jesus vai decepcionar a expectativa que Israel tinha do Messias. Nasce um frágil bebê e morre da morte mais terrível e vergonhosa do Império Romano que era a crucificação. Se esperava um guerreiro, e se encontra um bebê enfaixado numa gruta”, expôs.


O celebrante chama a atenção dos fiéis para o fato de alguns símbolos utilizados pelos Evangelistas nos textos bíblicos nos ajudam a ver que Cristo vive toda a dimensão da condição humana em tudo, exceto o pecado. Um exemplo dado pelo frade está no Evangelho de São Lucas quando se descreve que logo após nascer Cristo é enfaixado, o que era um costume na época. Ou seja, Jesus nasce em condições semelhantes a tantos outros que nasceram na época.


Ele também convidou os fiéis a prestarem atenção em representações do nascimento de Jesus como o presépio no qual geralmente se coloca, dentre os animais que teriam acompanhado a cena do nascimento de Cristo, o asno e o boi. Segundo o celebrante, “no antigo testamento existe uma passagem que diz que o asno e o burro reconhecem aquele que lhe dá o alimento, mas seu próprio povo não o reconhece”. Dessa forma, a utilização desses animais no presépio é uma forma de demonstrar que o Messias não foi reconhecido pelo seu próprio povo.

O fato dos primeiros a visitarem o Menino Deus terem sido os pastores é, segundo frei João, mais um fato que demonstra que “o nascimento de Deus em Belém foi para nos surpreender”. Na época os pastores eram considerados pessoas indesejadas e, por ser Rei, é inusitado ele ter recebido primeiramente a visita deles. “Isso quer dizer que o Senhor não se quis mostrar primeiro para os importantes, mas para os insignificantes”, disse. “Mas Ele veio para salvar a todos. E o presente que recebemos hoje é o Salvador, é aquele que vai dar a vida por nós”, completou.


Por fim, ele finalizou a homilia com votos de felicidade a todos os fiéis que frequentam o Santuário. “Para todos um Santo e Feliz Natal. Que Jesus possa reviver no coração de todos que participam desta celebração. Que haja fé, alegria e solidariedade em todos os lugares onde nos encontramos”.

 

Texto: Ana Beatriz Santos 

Fotos: Aureni Brito