Homilia da missa de 1o de setembro de 2018, com Frei Fabrício Nogueira: Que o nosso coração seja luz!

Mensagem litúrgica do dia 1ode setembro de 2018, Primeira Leitura (Dt 4, 1-2,6-8), Responsório (Sl 14), Segunda Leitura (Tg 1,17-18.21b-22.27), Evangelho (Mc 7,1-8.14-15.21-23).

Adriana Gimenes (Pascom)

A fim de purificar as trevas do nosso coração o nosso Deus nos dá mais numa Palavra de vida, que busca nos alimentar, purificar, santificar renovar. Estamos voltando ao evangelho de São Marcos, o primeiro evangelista. Os evangelhos são para ouvir e não ler, durante a celebração. Marcos nos introduz na vivência da fé daquele povo. Encontramos as tradições judaicas, e Jesus levanta algumas releituras, “Aqui está quem tem maior autoridade que Elias”, que quer dizer que Jesus é o pão vivo o que desceu do céu. Ele é o verbo divino. A Palavra que dá origem a todas as coisas. Ele coloca ordem ao caos. Antes de todas as coisas Ele é! Jesus é! A Palavra é! A vida é! Os judeus, que praticavam a fé (ortodoxos), praticavam e exigiam dos outros. Os fariseus eram denominados hipócritas, eram fiscais da lei. Hipócritas, aqueles que pregavam, mas não faziam, aqueles que encenavam, revestiam-se com máscaras, aqueles que não conseguiam ser verdadeiros.

Foram criados preceitos humanos, e Jesus falava dos preceitos do coração. Jesus falava que diziam uma coisa e faziam outra. Pensamos que agradamos a Deus indo à igreja todos os dias, mas sem mudar o coração, não vale nada. As pessoas acabam se tornando pessoas de coração duro, amargas, vazias. A verdadeira religião é a caridade e o amor. É esvaziar-se de si e ir ao encontro do outro. Onde estão os nossos olhares? Sobre os outros ou sobre nós? Sobre nossas falhas ou nas dos outros? Nunca vamos agradar a Deus enquanto não olharmos para nós mesmos. Olhamos as atitudes dos outros, mas não olhamos o nosso coração, onde estão nossas imundícies. É de dentro do coração humano que saem as más intenções, roubos, calúnias, assassinatos, invejas, orgulho. Pousamos o olhar nas coisas exteriores e esquecemos das coisas interiores. Jesus nos convida a nos esvaziarmos do que é ruim, do que nos torna sujos e impuros e tomar posse da graça que Deus nos dá.  Busquemos crescer interiormente e esquecer da vida do outro. Devemos ser sal e luz para o outro e não deixar que nossa língua seja uma espada cortante que mata cada vez que é usada. Nascemos para iluminar e não para matar.

Fotos: Fernando Carlomagno (Pascom)

Comments are closed.