Santuario Sao Francisco de Assis

A Imaculada Conceição de Maria é uma prova da fidelidade de Deus para com a humanidade

Na primeira vez que a humanidade é infiel com o pecado original, Deus anuncia a primeira boa nova: ela, a mulher e a sua descendência, irão esmagar a cabeça da serpente. É um anúncio de esperança.

Fotos: Fernando Carlomagno
Textos: Patrícia Gomes

 

Mensagem Litúrgica
IMACULADA CONCEIÇÃO DE MARIA
Celebração Presidida pelo Frei João Benedito OFM – Conv.
Primeira Leitura (Gn 3,9-15.20)
Responsório (97/98)
Segunda Leitura (Ef 1,3-6.11-12)
Evangelho (Lc 1,26-38)

É tradicional vivermos esse momento da solenidade da Imaculada Conceição. O que quer dizer esse dogma mariano? A Igreja tem quatro grandes ensinamentos sobre a mãe de Deus. O primeiro deles é que Maria é a mãe de Deus, uma profissão de fé que vem desde os primeiros concílios da Igreja. Depois a Igreja proclamou que Maria é virgem antes, durante e depois do parto, portanto, o segundo dogma é o da virgindade perpétua de Maria. O terceiro dogma é esse de hoje da Imaculada Conceição e o quarto, o mais recente, de 1950, é o da assunção de Maria. Alguém pode pensar assim: o dogma da assunção é uma invenção do Papa, mas isso não é verdade. A verdade é que em Jesus Deus nos revelou tudo aquilo que ele podia dizer a humanidade. Tudo aquilo que Deus queria revelar a nós sobre si, sobre seu projeto, sobre a vida humana ele disse tudo na pessoa de Jesus, porém os discípulos, devido a sua teimosia, não compreendiam essa dimensão. Nesse sentido, podemos dizer que a humanidade precisa de tempo para digerir, assimilar e compreender aquilo que Jesus disse. Prova disso é que o Papa Bento XVI, em um de seus documentos, disse que o cristão de hoje sabe muito mais sobre Deus do que, por exemplo, os apóstolos, pois ao longo dos séculos a Igreja foi tendo uma compreensão melhor daquilo que é a Revelação. Jesus já tinha dito tudo, mas nós precisamos de tempo para assimilar, portanto, não foi a Igreja que inventou em algum momento os dogmas marianos, mas sim que em algum momento a Igreja conseguiu assimilar e proclamar. Quando nós falamos da Imaculada Conceição estamos falando de um dogma que foi proclamado pelo Papa Pio IX em 1854 e, três anos depois, em 1857, na praça de Espanha, em Roma, se ergueu um monumento a Imaculada, onde todo dia 08 de dezembro os frades e santos franciscanos recolhem as rosas que o povo de Roma oferece a Virgem Maria.

A primeira leitura de hoje conta como o pecado original entrou no mundo, nós vimos que houve uma divisão entre o casal no paraíso. Vem aquela exclamação de Adão que se sentia sozinho, mas quando surge a Eva, ele vai dizer: Essa sim é carne da minha carne e osso dos meus ossos, mas outros versículos depois nós vemos já uma mudança total de tom. Quando Deus pergunta para Adão o que havia acontecido e ele vai dizer assim: Eu me escondi porque estava nu e Deus vai dizer: Quem é que te disse que você estava nu? Ou seja, ele sempre esteve nu. O que aconteceu que de repente a nudez é uma vergonha para Adão, inclusive diante de Deus? Adão não assume a culpa, ele joga a culpa em Eva que não é aquela mulher que ele pediu, mas sim a que Deus colocou ao seu lado. A partir daí ele rompe essa ligação com sua mulher e rompe a sua relação com Deus. Deus também pergunta para a mulher, que também não assume a sua responsabilidade. Então o pecado traz essa divisão, essa ausência de responsabilidade ou de corresponsabilidade e vai começar o jogo de empurra. Já nesse primeiro momento da história da salvação existe uma coisa curiosa: ao longo da história da salvação, nós temos duas coisas que são constantes: a infidelidade do homem e a fidelidade de Deus. Ele é fiel a sua promessa e, a cada vez que a humanidade é infiel, Deus oferece algo ainda maior. Na primeira vez que a humanidade é infiel com o pecado original Deus anuncia a primeira boa nova: ela, a mulher e a sua descendência, irão esmagar a cabeça da serpente. É um anúncio de esperança, mas porque esse relato hoje no dia em que celebramos a Imaculada Conceição? Porque o nome Imaculada quer dizer literalmente sem mancha, sem mácula. Então quando nós celebramos hoje um aspecto de Maria nós estamos dizendo que Maria é aquela que não tem o pecado, mas os primeiros cristãos chamavam de um nome ainda mais bonito: a toda santa Mãe de Deus. Quando nós dizemos Imaculada nós ainda estamos repetindo a palavra mácula, pecado, então, a expressão antiga da Igreja é ainda mais bela.

Mas o que é esse dogma? Muitas vezes as pessoas confundem com o dogma da virgindade perpétua, mas não é isso. O dogma que celebramos hoje é mais radical porque está no momento da concepção de Maria. Na verdade, o que celebramos hoje é a Imaculada Conceição de Maria. E o que quer dizer essa Imaculada Conceição? Todos nós quando nascemos, quando somos concebidos carregamos a marca do pecado. Nós trazemos em nós essa fragilidade, todos nós participamos desse pecado de Adão e Eva. Então quando nós falamos que Maria é a Imaculada Conceição o que estamos dizendo? Estamos dizendo que Maria, antes de ser manchada, ela foi redimida. A redenção para nós é nos livrar da mancha, é limpar, para Maria a redenção é preventiva.

E porque os franciscanos celebram a festa da Imaculada Conceição? Os franciscanos foram chamados durante muito tempo de “Imaculatistas”, pois estavam entre aquelas pessoas que na história da Igreja defenderam esse dogma. Os outros teólogos não aceitavam o dogma, pois questionavam o fato de Maria ser redimida antes da paixão e morte de nosso senhor Jesus Cristo. Para Deus era melhor nascer de uma mulher santa ou pecadora? Deus quis nascer de uma mulher santa. E o Beato João Duns Escoto vai dizer que Deus quis, pode e Deus fez. São Maximiliano Maria Kolbe dizia: ”Deus vê a mais perfeita criatura, a Imaculada, (cheia de graça), ama-a e assim nascerá Jesus.” Por essa razão, ele é considerado o apóstolo da Imaculada, aquele que cria a Milícia da Imaculada e se empenha na Consagração à Virgem!  Olhemos para a mãe de Deus como modelo para que sejamos santos e imaculados e que esse dogma se frutifique cada vez mais.