Santuario Sao Francisco de Assis

Dia dos pais – De Deus provém toda a paternidade

É dia de agradecer ao bom Deus por essas pessoas que receberam o dom da paternidade, pois Deus sempre age a partir de alguém. E Deus age na nossa vida por meio dos pais.

Texto: Patrícia Gomes

Fotos: Fernando Carlomagno

 

Mensagem Litúrgica

Primeira Leitura (1 Rs 19,4-8)

Responsório (33(34))

Evangelho (Jo 6,41-51)

Hoje celebramos a vocação da família, dia dos pais. Este nome pai é o que Deus mais usa para se comunicar, desde o Novo até o Antigo Testamento. Deus se apresenta como pai e ao longo da história da salvação e, quando Jesus se encarna, aprendemos a chamar Deus de paizinho.  O apóstolo Paulo vai dizer que de Deus provém toda a paternidade. A parábola do filho Pródigo é a imagem do pai que deve ser vivida na paternidade, sem os pais nós não existiríamos. Existe um modo de ser hoje da sociedade: no passado, a relação com os pais era muito respeitosa, mas hoje há uma inversão: os filhos cobram muito dos pais. Com tal nível de exigência para com nossos pais, colocamos a família em situação dramática, pois hoje muitos jovens já não se sentem mais chamados a paternidade, porque há um receio de falhar na condição de pais e no casamento. Mas essa condição de falhar é inerente a condição humana. Nenhum esposo sabe ser marido sem antes se casar e nenhum homem sabe o que é ser pai se não tiver filho. Sejamos misericordiosos com aqueles que nos deram a vida, só Deus sabe os sacrifícios que um pai e uma mãe precisam enfrentar para criar seus filhos. É dia de agradecer ao bom Deus por essas pessoas que receberam o dom da paternidade, pois Deus sempre age a partir de alguém. E Deus age na nossa vida por meio dos pais. Queremos pedir por todos eles, para que possam ser na nossa vida presença da paternidade de Deus e para que possam ser na sociedade a presença amorosa de um pai que cuida dos seus filhos.

O tema do pão está conosco já há alguns domingos. Há três domingos era o pão que caía do céu, o maná. A história de profeta Elias hoje na primeira leitura também traz um episódio ligado ao pão. Elias é o símbolo da profecia, ele é o profeta que estava no momento da transfiguração. O livro dos Reis conta a história de Elias. É um profeta que viveu num tempo de grande prosperidade em Israel e percebeu como as pessoas estavam perdendo o vínculo com Deus. Assim ele começa a combater a idolatria no meio do povo de Israel: tem um episódio em que ele vai lutar e vencer o paganismo. Na primeira leitura, vemos que depois dessa luta, Elias está desesperado, pois a rainha o persegue. Esse profeta tem uma grande tristeza, como uma depressão. Ele pede para Deus tirar a sua vida, pois está muito desanimado. Ele faz o caminho contrário: o povo de Israel passou pelo deserto para chegar a terra prometida, mas ele sai da terra prometida e vai para o deserto. Desanimado e choroso, Elias acaba adormecendo e assim o Anjo do Senhor o desperta e fala: Desperta e come. Por 40 dias e 40 noites, ele vai caminhar no deserto com a força desse alimento até chegar no monte Horeb. O monte Horeb é o mesmo monte Sinai, onde Moisés faz a aliança com Deus. Ele vai até lá para ter o seu momento de encontro pessoal com Deus e refazer a aliança. Nós também temos momentos de decepção e também podemos enfrentar um deserto. Deus envia o anjo não para tirar o problema da vida de Elias, mas para confirmar que ele deveria cumprir a sua missão de resgatar o povo de Jerusalém. Assim é o nosso Deus: muitas vezes queremos um Deus que nos livre dos nossos problemas, mas Deus quer contar conosco para realizar a sua missão. Assim, devemos colaborar na obra do Senhor.