Santuario Sao Francisco de Assis

Nossa Senhora aponta para um caminho de santidade

Mensagem Litúrgica da solenidade de Nossa Senhora Aparecida, 12 de outubro de 2020.

Primeira Leitura : Est 5,1b-2;7,2b-3 – Salmo Responsorial: Sl 44 – Segunda Leitura: Ap 12,1.5.13a.15-16a – Evangelho: Jo 2,1-11

“Para o povo brasileiro, Deus mesmo resolveu sinalizar a nossa história, marcar a nossa história com um prodígio grandioso”, afirmou Frei João Benedito (OFMConv), reitor e pároco do Santuário São Francisco de Assis, ao refletir sobre o encontro da imagem de Nossa Senhora da Conceição pelos pescadores Domingos Garcia, Filipe Pedroso e João Alves em meio a uma pesca no Rio Paraíba. A devoção por Nossa Senhora, por meio dessa imagem a qual os fiéis passaram a chamar de aparecida, cresceu de tal forma que hoje a padroeira do Brasil é Nossa Senhora da Conceição Aparecida. Frei João lembrou que Maria nos convida a sermos fiéis a Jesus Cristo, assim como demonstra o Evangelho de São João, lido nesta solenidade, quando ela diz aos servos “Fazei tudo o que Ele vos disser”.

 

A fé nesse sinal de Deus começou a ser disseminada primeiro entre a população, principalmente entre os ribeirinhos e os escravos, relembrou o pároco. “A devoção a Nossa Senhora Aparecida começa primeiramente no meio do povo. É o povo de Deus que primeiramente vai escolher a sua padroeira, nessa senhora, Nossa Senhora da Conceição”, pontuou.

Ao contextualizar o momento do encontro da imagem, Frei João Benedito lembrou que no período em que ela foi encontrada o Brasil ainda vivia a escravidão, em meados de 1717. Ele disse que há relados que alguns dos milagres que ocorreram foram de quebras de correntes de escravos dentre outros.

Mas os milagres não se restringiram àquela época. Frei João disse dentro da sala de milagres do Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida há centenas de testemunhos de reunidos dos prodígios em que a Virgem Maria intercedeu e que constantemente os relatos são substituídos por outros que não param de chegar. O frade incentivou os fiéis a visitarem o templo dedicado a padroeira do Brasil, que é um dos maiores do mundo.

O valor de termos uma Mãe

Frei João chamou a atenção para a mensagem que as leituras contempladas na celebração deixam para os fiéis. “Hoje a liturgia nos fala de diferentes aspectos da Virgem Maria para que nós possamos entender o valor de termos uma mãe. Nós somos uma Igreja que felizmente temos uma mãe”, destacou.

Ao meditar sobre o Evangelho, o pároco lembra que no antigo testamento muitas vezes a figura do vinho novo era usada para se referir ao Messias. Então, no episódio das bodas de Canaã ao dizer para Jesus que tinha acabado o vinho, podemos interpretar que Nossa Senhora dizia que o povo não aguentava mais esperar pelo Salvador.

O pároco também afirmou que no episódio das Bodas de Canaã narrado pelo evangelista João Nossa Senhora aponta para o caminho de conversão. “Nós temos no evangelho de hoje o único conselho que Maria dá para alguém em todos os evangelhos: fazei tudo o que ele vos disser. É essa frase que está no Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida. É essa a receita da santidade. É este o caminho que nós devemos percorrer. Tantas vezes a nossa fé se torna jarras cheias de água e Maria está dizendo para o seu filho também, eles (nós) não têm mais vinho”, afirmou.

Beatificação de Carlo Acutis

“A beatificação de Carlo Acutis nos mostra que santidade não tem idade”, afirmou Frei João Benedito. Ele afirmou que o beato era uma pessoa de grande virtude no qual buscou uma vida de santidade por meio da adoração eucarística e da participação da Santa Missa cotidianamente. O jovem foi beatificado em 10 de outubro e a festa litúrgica é celebrada dia 12 do mesmo mês. “Esse é um dos testemunhos que vale a pena olhar para que nós possamos, assim como ele, escutar aquilo que a Mãe nos pede: fazei tudo o que ele vos disser”, aconselhou.

Texto: Kelsiane Nunes | Fotos: Gerlania Moraes